Com nudez: saiba como é um cruzeiro para casais liberais

Diferente de hotéis e resorts destinados a swingers, os cruzeiros têm ambientes mais restritos onde o sexo é liberado

Matéria publicada no Terra Turismo – Vida e Estilo

Já Imaginou como é viajar a bordo de um cruzeiro para casais adeptos da troca de parceiros? Os cruzeiros de swing despertam curiosidade e aguçam a vontade de muitas pessoas, mas ainda são um mistério para quem não está envolvido nesse ambiente. Com adeptos no mundo inteiro, especialmente na Europa e nos Estados Unidos, é uma das vertentes de turismo voltado para casais liberais e, assim como os resorts e hotéis liberais, as viagens têm suas próprias particularidades.

Casal First Tour

A primeira grande vantagem do cruzeiro de swing é saber que o casal estará em um ambiente cheio de pessoas com os mesmos objetivos. “Vai ter 1.100 casais liberais interessados. A interação é muito mais fácil”, afirma o proprietário da empresa especializada em férias para casais liberais, Casal First Tour, Paulo Macedo.

Macedo, que realizou em janeiro de 2015 o primeiro cruzeiro de swing da América do Sul, ressalta também outra atração dos roteiros liberais: “Tem a nudez, que é interessante. As pessoas curtem isso, principalmente em alto-mar”, comenta. É preciso ter em mente, no entanto, que dentro do navio nem todas as áreas estão abertas ao nudismo. O nu geralmente é restrito a ambientes como a piscina e, em alguns casos, apenas quando o navio está em navegação.

Sexo liberado, mas com respeito

Por ser um cruzeiro voltado para a troca de casais, os ambientes onde osexo é liberado também são bastante procurados. Mas, ao contrário do que acontece em resorts ou hotéis, são mais restritos. Além das cabines, onde cada um pode fazer o que quiser, os navios contam com áreas públicas específicas, as chamadas playrooms. Elas são ambientes nos quais diversas camas são dispostas, com ambientes reservados para casais mais discretos, mas onde também é permitido o exibicionismo, para quem gosta. “São áreas bonitas, em ambientes enormes, um lugar bem interessante”, afirma.

Além dos playrooms, as boates a bordo costumam ser outra área livre para os casais. “Nas boates e no teatro, em vez dos espetáculos normais do navio, têm shows temáticos como striptease. Eventualmente até show de sexo explícito”, conta. Nessas áreas as regras são simples: tudo é liberado, mas ninguém é obrigado a nada. Portanto, não significa que qualquer atividade deve ser consentida por todos os envolvidos. Para quem já costuma passar férias liberais em resorts e hotéis, Macedo salienta que é necessário ter em mente que o cruzeiro é mais restrito, enquanto nos outros tanto a nudez quanto a prática sexual são liberadas em quase todos os ambientes.

Isso, no entanto, pode ser justamente um dos atrativos dos cruzeiros de swing. Como na maior parte das áreas do navio o sexo explícito e o nudismo não são permitidos, ele se torna um ambiente ideal para casais mais discretos, principalmente se for em uma embarcação pequena. “Para quem está iniciando é bom, porque é mais light”, salienta.

No Brasil, só em 2018

O primeiro cruzeiro liberal realizado no Brasil ocorreu no início de janeiro deste ano, a bordo do Azamara Journey, da Azamara Club Cruises, em roteiro com partida do Rio de Janeiro para Argentina e Uruguai. “Esse foi um balão de ensaio, feito com um navio pequeno e numa data que interessaria quase que exclusivamente a estrangeiros”, diz Macedo. E isso foi confirmado pela ocupação, com 80% dos cerca de 700 hóspedes estrangeiros. “Vendeu bem, pelo ineditismo”, analisa.

De acordo com Macedo, o público interno ainda é “muito recatado” quando se trata deste tipo de turismo. “Muitos brasileiros ficam inibidos, têm medo de repórteres, de divulgação”. Mas para quem tem esse receio é bom lembrar que a bordo a política sobre divulgação de imagens é bastante restritiva e rígida. Não é permitido fotografar ou filmar passageiros sem total consentimento, e o anonimato é levado muito a sério. Além disso, durante as escalas os portos costumam receber mais navios ao mesmo tempo, o que torna muito difícil que se reconheça quem desembarcou de qual cruzeiro.

Um próximo cruzeiro de swing no Brasil está em estudo, e pode acontecer em 2018. Segundo Macedo, o entrave é apenas uma questão logística, pois para reservar um navio são necessários cerca de 3 anos de antecedência, e a agenda da Casal First já está cheia até 2017, com quatro cruzeiros internacionais. “Uns 100 casais brasileiros você vai encontrar nesses cruzeiros”, comenta.

Fonte: https://vidaeestilo.terra.com.br/turismo/cruzeiros/com-nudez-saiba-como-e-um-cruzeiro-para-casais-liberais,55de99a9e7cef21222d7f72acef287d2kdv7RCRD.html